Brad Holland, um ilustrador diferenciado

Brad Holland é norte americano, nascido em 1943 e é considerado um dos ilustradores mais importantes da América e, por que não, do mundo.

Instalado num belo estúdio em New York, Brad Holland construiu sua carreira basicamente no mercado editorial. É um grande defensor da preservação dos direitos de criação na propriedade intelectual.

O estilo de Brad Holland é inconfundível, embora na sua carreira ele tenha passado por várias fases até solidificar seu estilo.

Muitas vezes alguns colegas questionaram o seu estilo, mas há que se saber ler a obra de Holland. E então aprendemos gostar e admirar.

Ele praticamente aprendeu a desenhar sozinho. Em uma de suas entrevistas, ele cita que ainda aos 7 anos de idade, refez o final da história Iliada, que havia sido publicada pela Illustrated Classics. Um detalhe, os troianos ganharam.

Uma de suas frustrações como artista iniciante, foi não ter conseguido trabalhar nos estúdios Disney. A arte determina caminhos mais arrojados aos grandes artistas.

Depois de uma passagem por Chigaco, Brad se instalou em Kansas City para trabalhar para a Hallmark. O início dos anos sessenta constitue a sua escolaridade e anos de aprendizagem. Mas não há registros de suas obras nesse período, pelo menos até onde se sabe. Em 1967 muda-se para New York.

Em 1969 a arte de Brad Holland começou a aparecer mais constantemente. Ele fez várias capas para os livros publicados pelo Clube do Livro. Começou a ilustrar também para a revista Playboy e, a partir de então, sua produção entrou num ritmo acelerado.

Brad Holland é um dos poucos ilustradores que tem suas obras expostas em galerias, e são adquiridas da mesma forma como se adquire um quadro das artes plásticas. Na América, assim como no mundo, existem vários colecionadores que apreciam sua obra.

Meu primeiro contato com a arte de Brad Holland foi através de uma ilustração de um conto erótico para a revista Homem, da Editora Abril, que mais tarde se tornaria a atual Revista Playboy. Fiquei impressionado com a brutalidade de sua arte. Comecei a pesquisar um pouco sobre o artista, mas não encontrei muita coisa. Num livro de coletâneas de ilustradores, American Illustration, Microsoft Office Home & Student 2016 que se não me engano hoje está no número 26, encontrei alguns de seus trabalhos.

Meu segundo contato com a obra de Holland, que identifiquei imediatamente, foi no filme 9 ½ Semanas de Amor (quem não viu tem que ver e quem viu tem que rever), de Adrian Lyne, em 1986. No filme, Elizabeth, interpretada por Kim Bassinger, é uma bela e sexy mulher que trabalha em uma galeria de arte e se envolve com John, Mickey Rourke, um homem muito rico. Eles se envolvem rapidamente e começam a praticar jogos sexuais cada vez mais intensos, que torna o relacionamento cada vez mais complicado e difícil de ser controlado. Numa das cenas, Elizabeth está projetando obras de um artista que iria expor na galeria. Adivinha quem é o artista? Brad Holland!

Para conhecer mais da obra desse ilustrador e artista plástico, acesse:  Brad Holland.

Abraços!

Engelmann