Ser Ilustrador

Vamos iniciar nosso texto com uma pergunta clássica: O que é ser ilustrador?

A frase mais utilizada como resposta é: – É um cara que desenha! Errado!

O ilustrador tem por obrigação saber desenhar, mas antes de tudo tem que saber interpretar. Não adianta saber desenhar, dominar técnicas de pintura ou softwares que permitem desenvolver ilustração – tudo isso é necessário sim, mas antes de tudo, é preciso saber interpretar. Essa interpretação pode vir das mais diferentes fontes. Para ficar mais claro, vamos utilizar um exemplo bem simples.

Ilustrar a capa de um livro

Os livros tem os mais variados estilos literários e entre eles podemos citar: livros infantis, livros de ficção, livros técnicos entre outros. Ou seja, cada tipo de livro tem um fator determinante na ilustração da capa: o público alvo. A ilustração para o público infantil é totalmente diferente do público para livro técnico, assim como o livro de ficção. Além disso, o ilustrador tem que saber conviver, negociar e articular muito bem com o autor e/ou o editor. E o mais importante, a capa do livro vende sim. Muitos livros medíocres venderam mais do que o esperado graças a sua capa. Muitos livros importantes, interessantes e até mesmo consagrados pela crítica, venderam menos do que deveriam – culpa da capa. Lembre-se, estamos falando de ilustração.

Vamos ver como anda a sua interpretação.

Uma jornalista e uma psicóloga, de grande projeção na mídia, escrevem em conjunto um livro sobre “A descoberta da sexualidade na puberdade”. O público alvo são meninas entre 13 e 15 anos, classes A, B e C, embora o livro seja indicado para todas as classes. A abordagem do texto não é técnica, como na medicina, mas sim emocional. A jornalista coleta dados de meninas que começaram suas relações até mesmo antes dos 13 anos, algumas engravidaram, e após ler os relatos, a psicóloga analisa os traumas que isso pode trazer por um bom tempo, ou por toda a vida dessa adolescente. Aborda também meninas que foram molestadas por parentes, pais e estranhos. Mas o livro não é composto apenas por tragédia, relata também meninas que iniciaram sua vida sexual em idade precoce e estão muito bem. Traz também uma orientação para aquelas meninas que já foram acariciadas por seus namorados, mas ainda não tiveram “coragem” de ceder e se entregar ao namorado. E também uma abordagem até certo ponto divertida, para aquelas que tem curiosidade sobre o assunto.

Um detalhe a mais: esse tipo de público tem atrás o segundo público, que vai validar a compra do livro: os pais da adolescente.

A capa do livro não pode utilizar foto, nossas modelos referência seriam menores de idade, não dá. Então teremos que utilizar a ilustração.

Sabendo do conteúdo do livro, que elementos você utilizaria na capa?

Antes de começar a desenvolver a capa, é de bom tom conversar com o autor e com o editor – eles saberão orientar qual caminho seguir no desenvolvimento da ilustração. E agora? Como você imagina, ou criaria a capa para esse livro?

Como podemos observar, uma ilustração já tem um objetivo traçado, uma mídia de circulação, um público alvo determinado.

Além dessa qualidade em interpretar textos, fatos, relatos, o ilustrador tem que pensar também que ele é um profissional, um prestador de serviços. No exemplo acima citamos a capa de um livro, mas além da ilustração editorial, um ilustrador pode prestar serviços para um anúncio de publicidade, uma embalagem, uma cenografia, uma matéria de um texto, um conto, um livro inteiro, ou ainda, simplesmente ilustrar um determinado assunto de caráter decorativo, por exemplo.

Um ilustrador deve possuir empresa aberta ou nota fiscal de autônomo, deve possuir um cartão de visitas, um portfólio físico ou digital, um email que não seja engraçado, mas que seja profissional. Deve também conhecer alguns contratos de prestação de serviços, para poder garantir para si e para o seu cliente, um “acordo” que terá validade judicial, caso uma das partes não cumpra alguns dos itens relacionados nesse contrato.

Então temos outra pergunta: – Mas estou começando agora, o que eu faço?

Num debate recente em um programa focando o público jovem, discutiu-se que o jovem atualmente não gosta de ler. Se não gosta de ler, não consegue interpretar. Se não consegue interpretar, não consegue ilustrar. – Mas o cara desenha muito! Então você não entendeu, comece a ler esse texto novamente desde o início.

Para quem está iniciando, a dica é: faça uma releitura do que existe.

Como assim?

Muito simples! Quase todos os livros de Jorge Amado utilizaram ilustrações em suas capas, principalmente nas primeiras edições. Leia um livro do Jorge Amado. Mergulhe nos personagens, nos cenários, na trama. Então, crie o seu cenário, o seu personagem, de a esse personagem a personalidade que ele lhe transmitiu. Recrie a capa. Se você não tem referência sobre Salvador – BA, utilize o Google Maps, passeie por Salvador, observe sua arquitetura, suas ruas, vielas, a população. O bom mesmo é ir até lá, mas talvez sua conta bancária não permita isso nesse momento.

Feito isso, crie a nova capa. Quando for apresentar seu portfólio pessoalmente, fale para o editor que você não tem nada publicado e que fez várias releituras das capas de Jorge Amado, por exemplo.

Ai vem a preguiça! Mas eu terei que ler todos os livros? Sim!

Quando conversamos com o autor ou editor, eles já dizem qual o personagem é principal, onde a trama se desenrola – recebemos um sinopse bem detalhada. Como você ainda não tem amigos editores, então meu caro, leia o livro. Vai fazer bem para o seu desenvolvimento cultural e um ótimo exercício de interpretação.

Como você deve ter observado, esse assunto é bem extenso. Só falei das capas dos livros. Ilustrar um conto, um livro, um livro infantil, é tarefa bem mais complexa. Aqui você sempre encontrará novos textos sobre o assunto.

Aguarde!

Um detalhe final, não faça apenas uma releitura de uma capa – faça 5, 6 do mesmo livro. Você verá como está evoluindo rapidamente.

Abraços!

Engelmann