Pintura Digital

Por conta de espaço e de saúde, fui obrigado a desmontar temporariamente meu atelier, ou espaço de pintura. Frustrado, não consigo ficar sem exercitar minha arte, então apelei: reinstalei minha Tablet Wacom Bamboo e resolvi exercitar a tal de pintura digital.

Para efetuar o exercício, busquei no velho e fiel mentor Google, uma foto expressiva – achei uma de um vietnamita que me pareceu fácil para reiniciar a pintura digital.

Inicialmente reforcei alguns detalhes da foto, para trazer mais contraste e então, fiz um esboço rápido.

 

 

Sobre esse esboço, decidi trabalhar com pastel oleoso, utilizando alguns dos pinceis específicos já encontrados nas bibliotecas do Photoshop. Definida a técnica, apliquei uma layer com textura – dessa forma, mesmo pintando, a textura se mantém. Não sabe fazer isso? Ensino em outro post. Então iniciei a pintura que ficou conforme ilustrado a seguir.

Confesso que não ficou como esperado, pois queria que os traçados ficassem mais agressivos – é coisa de estilo – sempre acabo tentando chegar numa coisa tipo “acadêmica”. É difícil sair fora disso, mas penso que, com novos exercícios, vamos aprimorando a técnica. Pretendo redesenhar/pintar o mesmo vietnamita pelo menos umas cinco vezes – publicarei aqui.

Concluído o trabalho, fiquei aqui a pensar sobre o valor da pintura digital. Então, é uma arte válida?

Penso que em termos de arte, o uso da tablet permite manter a essência do artista: o traço. Penso também que posso imprimir telas (sim, hoje as plotters imprimem em tecidos muito similares a telas) num número limitado, como se fosse uma gravura. Dessa forma, consigo vender mais unidades a um preço bem mais acessível.

Então pergunto: – A Pintura Digital tem valor artístico?

Ah, fiz uma nova pintura baseada no retrato de uma amiga querida.

Abraços!

Engelmann